Governo angolano acusado de hackear servidores de empresa americana

A empresa norte-americana Africa Growth Corp abriu um novo capítulo na sua batalha de expropriação imobiliária com o Estado angolano. Segundo o site angolana Luanda Post, que cita o África Intelligence, a empresa acusa o governo angolano de hackear os seus serviços para obter documentos internos, informações confidenciais e cartas de advogados.

A fonte acrescenta que a 24 de Julho, a empresa norte-americana Africa Growth Corp (AFGC) apresentou uma queixa contra o Estado angolano perante um tribunal da Flórida onde acusa o governo angolano de ter repetidamente hackeado os seus servidores informáticos domiciliados nos Estados Unidos.

De acordo com a queixa, o Estado angolano invadiu os computadores para recuperar documentos confidenciais e interceptar e-mails entre a AFGC e os seus advogados da Shutts & Bowen baseados na Flórida .

O estado angolano está envolvido numa série de disputas com a AFGC desde 2017, quando a empresa norte-americana o acusou de expropriar $ 55 milhões em propriedades de luxo em Luanda e buscou indemnizações.

Sem sucesso em todos os seus processos judiciais movidos por tribunais angolanos, o AFGC recorreu ao tribunal dos Estados Unidos em julho de 2019, apresentando uma queixa por violação de um acordo extrajudicial.

Isso até agora não funcionou a favor do AFGC. O sistema de justiça americano praticamente desbaratou a sua reclamação ao decidir que não houve desapropriação cometida pelo Estado angolano, mas sim que a AFGC foi vítima de fraude em nome de três indivíduos da família Andrade , chefiados pelo General António Francisco Andrade .

Este novo julgamento, com base em todas as novas alegações, pode ser a última chance da AFGC.

Uma questão de tempo

De acordo com os advogados da AFGC, a 12 de fevereiro de 2019, representantes de ambas as partes reuniram-se em Lisboa e chegaram a um acordo extrajudicial segundo o qual Angola deveria pagar $ 47,5 milhões em danos à empresa norte-americana.

Um estudo técnico externo conduzido pelo especialista em segurança cibernética VDA Labs a pedido do AFGC concluiu que a primeira instância de um ataque cibernético em seus servidores nos Estados Unidos ocorreu uma semana depois, mas não foi possível identificar a origem.

Depois, no dia 23 de fevereiro, a procuradora-geral angolana Eduarda Rodrigues Neto repentinamente voltou atrás no acordo amigável alcançado apenas 11 dias antes.

Embora a origem deste primeiro ataque não tenha sido identificada, a denúncia afirma que a VDA Labs conseguiu rastrear duas ofensivas subsequentes, datadas de 30 de janeiro e 15 de março de 2020, respectivamente.

De acordo com os advogados da AFGC e o relatório invulgarmente preciso do VDA Labs, o primeiro ataque partiu do próprio estado angolano, enquanto o segundo pode ter origem directamente no computador de um funcionário do Ministério do Interior de Angola. Com o caso apresentado ao tribunal da Flórida, o AFGC espera obter uma compensação por em ambos os casos.

Uma reviravolta

Independentemente do resultado, este novo teste pode servir bem ao AFGC. Desde que foi forçada – fisicamente – a sair das suas propriedades em Luanda em 2017, a empresa sediada em Las Vegas tem procurado por todos os meios fazer com que os seus interesses sejam ouvidos pelos principais diplomatas de Washington, que espera se unir à sua causa.

A empresa já desembolsou mais de US $ 90.000 desde 2018 para fazer lobby com membros do Congresso e do Senado dos EUA, por meio da empresa BGR Government Affairs, com sede em Washington.

Ao mesmo tempo, o presidente da AFGC, o israelita-americano Scott Mortman , liderou uma campanha na mídia em 2019 defendendo a causa da sua empresa entre os círculos ultraconservadores americanos e deu duas entrevistas ao meio de comunicação de extrema direita Breitbart , próximo a Donald Trump.

Mortman presidiu a filial da Fundação Cultural Americano-Israelitae desde 2016 e actuou como conselheiro do ex-primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert entre 2006 e 2009.

Embora não tenha conseguido ganhar muita força dentro desses círculos políticos, o AFGC agora espera que haja muito mais protestos se conseguir provar que um Estado estrangeiro invadiu os servidores em solo americano.

0 0 votes
Avalia o Artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os Comentários
0
Adoraríamos que Comentasses x
()
x
%d blogueiros gostam disto: