Namoradas homicidas guardaram cabeça, mãos e pés de amigo em carros

O plano foi pensado ao pormenor e a sua execução tem contornos só vistos em filmes e séries policiais. Depois de asfixiarem Diogo Gonçalves, decapitarem e esquartejarem o corpo, Mariana Fonseca e a namorada Maria Malveiro atiraram o tronco para o mar, em Sagres. Já a cabeça, as mãos e os pés andaram em dois carros durante cinco dias até decidirem que se iriam desfazer destas partes do corpo no Pego do Inferno, em Tavira. O crime macabro ocorreu em março e as jovens foram agora acusadas pelo Ministério Público pelos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver, burla informática, acesso ilegítimo, furto, furto de uso de veículo, peculato e detenção de arma proibida.

Segundo a acusação do Ministério Público, a que o CM teve acesso, Mariana, de 23 anos, e Maria, de 19, “delinearam um plano” para matarem Diogo depois de saberem que o jovem, de 21 anos, “tinha recebido uma indemnização de 70 mil euros pelo atropelamento da mãe”. Aproveitando-se de que o jovem tinha uma paixão por ela, Maria combinou um encontro com Diogo na casa deste, em Algoz, no dia 20 de março. Levou sedativos, abraçadeiras de plástico, uma faca, sacos de plástico, fita adesiva e luvas. Mariana ficou no carro. Maria colocou os sedativos num sumo de laranja que Diogo bebeu e seduziu-o a sentar-se numa cadeira, onde o amarrou com abraçadeiras. Diogo não adormeceu e Maria tentou asfixiá-lo, já com Mariana dentro de casa. Após duas tentativas, o jovem morreu. Cortaram-lhe os dedos indicador e polegar da mão direita com uma faca e levaram o corpo para a casa onde viviam, em Lagos. Pelo caminho fizeram levantamentos de dinheiro com o cartão de Diogo e foram dormir.

0 0 votes
Avalia o Artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os Comentários
0
Adoraríamos que Comentasses x
()
x
%d blogueiros gostam disto: